Feliz Natal!

Aos caros leitores desse humilde blog não-científico, mas que versa sobre ciência das boas, quero agradecer pela acolhida de todos os bons blogs e pessoas que visitaram este espaço, linkaram, ou somente deram uma passada d'olhos. É natal e perto do fim de ano. Ano esse que dei início a uma escrita não tão séria, mas de temas importantes (para mim?) no campo da biologia e algumas incursões em outras áreas, no Amigo de Wigner.
Ano que vem estarei de volta, com postagens mais seguidas respeitando meus queridos leitores...
Durante o mês de Janeiro estarei na USP em São Paulo (já disse isso antes certo?) num curso de Biologia Molecular e Bioquímica, vai ser maneiro, e por isso programei uma postagem especial sobre a Transferência horizontal de genes, e para começar o ano, um textinho sobre um tema que a tempos quero falar, sobre aquela lesminha ali no canto do layout do blog, a lesma que roubava genes...
Então amigos, um Feliz Natal evolucionista a todos e um excelente Ano Novo, nos vemos em 2010.


L. Felipe Benites



Imagem: Flick Colin Purrington

diário de viagem

Ah... enfim chega o final do semestre da faculdade e tenho tempo de me aproximar do twitter, dos outros blogs para saber o que acontece e do meu Amigo de wigner. Fiz a última cadeira de evolução do meu curso e sobrevivi (excelente mas bem difícil). A tempos venho coletando notícias e artigos que gostaria de comentar por aqui, mas o tempo não estava ao meu lado, então, agora estou de volta ao "trabalho". Planejei uma série sobre elementos transponíveis (aquelas sequências genéticas egoístas e promiscuas) e o fenômeno da transferência horizontal de genes, que acontece devido a essa promiscuidade molecular. Também fui selecionado para um curso de verão na USP em São Paulo de Biologia molecular e Bioquímica durante o mês de Janeiro, então se souberem de algo acontecendo na cidade me avisem por aqui.

Fiquem agora (e por enquanto) com a bela imagem de embriões do peixe-zebra (Danio rerio) e com os links de fotos com tema científico do site Spiegel e Popular Science.

E sigam-me os bons no Twitter.

Sobre a origem das infinitas formas de grande beleza

Celebrando os 150 anos do livro "Sobre a Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural ou a Preservação de Raças Favorecidas na Luta pela Vida" que foi lançado em 24 de Novembro de 1859.

Imagem retirada da celebração do Darwin Day de 2008, feito pela artista/cientista Ainsley Seago.

Sobre o XII RABU e a compreensão pública da ciência

Minha vida acadêmica se resume a antes do rabu e a depois do rabu, pelo menos neste semestre...
Participei da organização deste evento com pessoas legais e comprometidas. Muitas dificuldades, principalemente relativas ao tempo. Mas no fim tudo deu certo...
Na noite de 12 de novembro, participei da mesa redonda sobre a compreensão pública da ciência. Fui mediador da mesa, que contava com os ilustres Reinaldo José Lopes, da Folha de SP e do blog chapéu, chicote e carbono-14, e a Fernanda Poletto, do blog Bala Mágica, a nova integrante do Science Blogs Brasil. Fiz a introdução ao tema com a palestra "O retrato da blogosfera científica quando jovem: o sono de Darwin, baboseiras quânticas e pepsicologias de butiquim". Pelo título, nota-se o tom gozador dos temas que apresentei, como o Design inteligente do monstro do spageti voador, os colchões quânticos e as aplicações da "física quântica" na administração das empresas e relacionamentos. Nesta noite recebemos um recado muito especial do jornalista de ciência, Carl Zimmer, que entrei em contato e perguntei se ele poderia fazer um video para o evento sobre como os blogs poderão atuar para tornar a ciência e especialmente a biologia, mais compreensível para as pessoas "de fora". Vou tentar postar esse video aqui, mais tarde.
O Carl disse coisas importantes, do tipo, para termos cuidado para não escrever somente para os nossos pares, como outros blogueiros de ciência ou cientistas, por que a midia impressa ganha em cima dos blogs nesse sentido, pois algo sobre ciencia pode ser encontrado numa velha revista jogada num canto de uma loja, ou estação de trem, o letigimo paraquedista, o tipo de leitor que os blogs de ciência vem tentando conseguir.
As pessoas assistiram as palestra até o final (o que não é comum na minha faculdade) e participaram da mesa redonda com perguntas pertinentes, o que me deixou feliz e com boas espectativas do que poderá vir daquela conversa.

XII Reunião Acadêmica da Biologia da Unisinos

"Este tradicional evento que é organizado pelo Centro Acadêmico Livre da Biologia (CALBio) com apoio da Unisinos ocorrerá entre os dias 09 e 13 de Novembro de 2009, com o tema "A Evolução do Pensamento Biológico".
Este ano iremos discutir sobre o passado, o presente e o futuro das ciências biológicas e seus desdobramentos e aplicações como a terapia gênica, o melhoramento genético de cultivares, a crise alimentar, a difusão científica, o pensamento evolutivo e a educação ambiental.
Diversas oficinas e mini-cursos irão ocorrer como: Técnicas em biologia molecular, ensino de ciências, biologia de planárias e mamíferos, a evolução do olho e diversas outras interessantes.
Eu vou participar de uma mesa redonda sobre a compreensão pública da ciência, na quinta feira a noite dia 12, com os convidados Fernanda Poletto do Bala mágica, e o Reinaldo José Lopes, jornalista de ciência da Folha de SP e do blog Chápeu, Chicote e Carbono-14.

Esperamos vocês em São Leopoldo/RS, entre os dias 09 e 13 de Novembro.

As inscrições estão abertas no site do evento.

Siga o twitter do Rabu tb. e sigam-me os bons no meu Twitter


Princípio antrópico


"O Universo não é uma idéia minha."

Alberto Caeiro

Na verdade, nós somos uma idéia do Universo.

Leia todo o poema aqui.


Cartas de Marte

Lembrei de um blog já esquecido a tempos... Foram meus primeiros escritos sobre a forma que a ciência percebe a natureza e como eu entendia isto. Muitas coisas mudaram desde então, mas o estilo acredito que permança o mesmo. Resolvi não corrigir prováveis e visíveis erros (ou clichês) conceituais, talvez faça isso, ou talvez me arrependa por postar sem corrigir nada, mas eis o pequeno extrato do que eu pensava em abril de 2007. Boa leitura...
"Será reducionismo ou realidade, o fato do planeta, este que vivemos, ser o único a abrigar vida? Ou vida inteligente, que seja... A nossa estrela, o sol, vista de longe não passa de mais uma entre bilhões, despercebida num oceano interestelar, regido por forças físico-químicos em plena evolução. Isso é um choque, totalmente contra o senso comum, porque somos seres adaptados a imaginar uma distancia de alguns km’s, o tempo em alguns poucos anos, e não trilhões de quilômetros de distancia, velocidades próximas da luz, e milhões de anos no calendário planetário!
A verdade, é que as evidências de visita de alienígenas na terra, é praticamente inexistente. Um fato espetacular, nesse caso, uma civilização viajar de uma estrela a outra, dominando uma nova e poderosa fonte de energia, requer evidencias espetaculares, e não relatos aqui e ali, sem haver provas palpáveis. É uma tristeza.


Uma mensagem na garrafa, foi jogada no espaço nos anos 70, continha a localização da terra, a freqüência da molécula da água, e a nossa tipologia física, um homem e uma mulher saudando cordialmente a quem a recebesse. Foi uma placa de ouro gravada na sonda pioneer, que a essa altura, já esta muito longe . Quem sabe outros seres um dia a recolherão e num futuro muito distante poderão nos entregar em mãos?
O certo é que se eles existem, são totalmente diferentes de nós, e talvez de tudo o que podemos imaginar. Porque posso afirmar isso? Simples, outro planeta, outra atmosfera, outra bioquímica, outras moléculas hereditárias, outras forças evolutivas, a lista é quase interminável, mas basicamente, se os acontecimentos ao acaso, extinções, cataclismas ambientais, não fizessem parte da historia da terra, o resultado seria diferente do que vemos hoje em dia. Dados astronômicos também, como tipo de estrela central, posição do planeta em relação à estrela, quantidade de luas (imaginem as marés aqui da terra, se tivéssemos mais de uma lua orbitando? Mas as luas cheias seriam esplendidas).
Mas, o que será que nos espera? A hipótese extraterrestre esta cada vez mais perto de ser comprovado, hoje sabemos que os elementos principais para a formação de vida, como a conhecemos, o carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio, estão espalhados numa mesma proporção no universo. Dezenas de planetas extras solares são descobertos a cada ano. Organismos que vivem em condições ambientais extremas, muito mais que em planetas do nosso sistema, como pH altamente ácido ou alcalino, salinidade elevada e pressões descomunais já são bem conhecidos da biologia, os extremófilos. Então com certeza seremos surpreendidos com os nossos vizinhos galácticos.
Mas talvez, não estejamos tão sozinhos assim, o planeta vermelho, Marte, possui canais leitos secos, evidencias de que um dia, no seu passado a água liquida fluiu na sua superfície, num tempo suficiente para a vida florescer naquele planeta ferro-oxidado, isso se o fenômeno Vida e tão vulgar assim, como alardeiam algumas correntes cientificas, do tipo: traga água, temperaturas altas, moléculas orgânicas e alguns bilhões de anos, cozinhe tudo e espere sair rastejando da amostra um organismo... A verdade e que o universo é proibitivo a vida, eu e você somos os resultados de milhões de mutações aleatórias num monstruoso espaço de tempo, e nossos antepassados foram muito bem sucedidos, pelo menos ate chegar à vida adulta e reproduzirem, eu estou aqui não? E você também. Se houve a vida em marte, imagine o quão assombroso seria , dois planetas vizinhos, onde leis cegas direcionaram esse acontecimento, não seria pedir demais?
Talvez a vida tenha surgido por lá, quem sabe? Ela pode ter contaminado o nosso planeta... Isso quer dizer, que o berço da vida pode ter sido o planeta vermelho, todos nos podemos ser marcianos. É irônico. Simplesmente."

27/04/07

Extraído do extinto blog "Poeira Positrônica".
imagem: Nasa

Carl Sagan e a batida de um tambor diferente

Depois da excelente música do Carl Sagan sobre as tortas de maçã e o universo, mais um video do nosso astronômo favorito é lançado na rede, e dessa vez ele recebe os ilustríssimos convidados, Richard Feynman com seu bongô, o astrofísico Neil deGrasse Tyson e Bill Nye, o cara da ciência, e foi incrível a nostalgia que senti, quando lembrei que era ele (Bill Nye) que fazia os experimentos científicos (que eu tentava reproduzir) em cada final do desenho De volta para o futuro, lembra?
Agora, aproveite o som e lembre-se, de uma forma ou outra estamos todos conectados...



E sigam-me os bons no Twitter.

Via: Topless Robot. Imagem: aqui

Ardi, nossa parente mais antiga

O posto de hominídeo mais antigo, que um dia pertenceu a Lucy (Australopithecus afarensis) agora pertence a uma outra moça, a Ardi, apelido de Ardipithecus ramidus que significa "root ground ape" e viveu a 4,4 milhões de anos atrás na Etiópia. Esse achado revela o mais antigo e detalhado vislumbre da vida hominidea até hoje.
A descoberta foi realizada por uma equipe de paleontólogos americanos e etíopes, liderada por Tim White e foi divulgada em artigo da Nature em 1994 (aqui em pdf) prometendo maiores detalhes mais tarde. Nesse caso o "mais tarde" levou 15 anos! e o resultado desse longo e minucioso trabalho foi publicado numa série de artigos que sairam quinta feira passada na Science.


Ardi está tão famosa que até já possui um perfil no Facebook.

A notícia ja foi divulgada e postada em todos os blogs e alguns jornais do "universo", mas no dia que saiu o press release não tive tempo de escrever nada e muito menos ler os artigos que sairam. Mesmo estando atrasado na postagem aqui no Wigner, como é fim de semana deu para pegar uma parte da "festa".
Os artigos são para assinantes, mas você pode ler mais sobre o achado na Wired e no blog do Carl Zimmer, no Chapéu, chicote e Carbono 14 do Reinaldo José Lopes e ainda assistir a um pequeno video sobre a pesquisa no site da Science.


Haeckel fractalizado

O livro Kunstformen der Natur (algo como "formas artísticas da natureza") do grande naturalista Ernst Haeckel , é composto de incriveís ilustrações da natureza, principalmente de invertebrados, e como o livro foi publicado em 1904 a sua licença já expirou, sendo possível visualizá-lo na rede através do Wikipedia Commons.


Uma das mais belas ilustrações é de um ofiúro, um equinoderme aparentado com as estrelas e ouriços do mar, batizado de Astrophyton darwinium , e essa imagem foi escolhida como parte do banner de um de meus blogs favoritos, o Discutindo Ecologia.
Abaixo o desenho do A. darwinium, "fractalizado".


Os padrões corporais dos seres vivos obedecem certos princípios de simetria, que foram detalhadamente ilustrados por Haeckel em seus trabalhos, o que inspirou diversos experimentos gráficos com algoritmos de repeticão de imagens para criar fractais em cima de sua obra.
Alguns organismos podem ser chamados de fractais vivos, como as folhas de uma samambaia, o próprio ofiúro e até mesmo nós humanos, os fractais ambulantes.

Veja o resto da galeria fractal aqui.

Via: Posthuman Blues

Obs: provavelmente não existe o verbo "Fractalizar", mas tudo bem... E sigam-me os bons no Twitter.


Carl Sagan, tortas de maçã e o Universo

Se você quiser fazer uma torta de maçã a partir do zero, você deve primeiro inventar o universo...


Uma das bilhões e bilhões de frases assombrosas e arrepiantes de Carl Sagan, o maior popularizador da ciência que este pálido ponto azul na galáxia já viu... O significado transcende a arte, ciência, filosofia e o nosso senso comum. Fique a vontade de interpretar e compartilhar comigo.

"If you want to make an apple pie from scratch, you must first invent the universe".
Carl Sagan (1934-1996)

Ouça a linda música do cosmos aqui.

Arte mínima no Ano Internacional da Astronomia

Lindas e minimalistas imagens, criadas pelo designer britânico Simon Paige, que foi influenciado pelos livros de astronomia e divulgação de ciência dos anos 70 e 80, para o Ano Internacional da Astronomia. Confira os outros desenhos em sua galeria.

E sigam-me os bons no Twitter.

Sobre o II encontro de Blogs de Ciência

Entre 25 a 27 de Setembro em Arraial do Cabo RJ aconteceu o II Ewclipo: Encontro de Weblogs Científicos e, pela quantidade de postagens nos blogs, o encontro foi um sucesso!
Este ano o evento foi organizado pelo cientista e blogueiro Prof. Mauro Rebelo do "Você que é Biólogo" e dos parceiros do Anel de Blogs Científicos , e ainda teve apoio do Instituto de Biofísica da UFRJ, do IEAPM, com financiamento do CNPq e secretaria de divulgação científica do MCT.

Não pude ir, devido a falta de organização e espero poder comparecer no ano que vem, mas minha conterrânea, Fernanda Poletto do "Bala Mágica" esteve por lá e registrou suas visões sobre os dias e o Roberto takata do Gene Repórter, agraciado com o premio de "comentarista de destaque" da blogosfera científica brazuca, fez um apanhado sobre o que foi escrito pelos presentes e não presentes no evento.
Em tempo, este que vos escreve, atarefado e incumbido de trabalhos Hercúleos da faculdade, não pode atualizar o blog neste ultimo mês, e mesmo assim, recebemos em torno de 1300 visitas somente em Setembro (de paraquedistas ou não) e um destaque como "um dos blogs legais a surgirem esse ano" pelo Carlos Hotta do excelente blog "Brontossauros no meu Jardim".
Ainda sobre eventos sobre divulgação científica, nos dias 9 a 13 de Novembro em São Leopoldo RS, na Universidade do Vale do Rio dos Sinos, irá ocorrer a XII Reunião Acadêmica da Biologia, e na noite do dia 12, estaremos recebendo para um mesa redonda o Jornalista Reinaldo José Lopes da Folha de São Paulo, a já citada aqui, Fernanda Poletto, Farmacêutica, Doutoranda em Quimíca e blogueira e uma breve participação deste humilde Amigo de Wigner para um bate papo sobre a comprensão pública da ciência e o nosso papel neste processo. Seria muito legal receber mais colegas blogueiros durante o evento!

E sigam-me os bons no Twitter.


O belo cartaz que ilustra a postagem foi feito pela designer Patricia Kiss.


Emiliania huxleyi, a alga que faz nuvens

Na edição de agosto da revista Genomic Research foi reportado evidências de uma Transferencia horizontal (sabe o que é isso? leia mais aqui) entre a belíssima microalga Emiliania huxleyi e seu virus gigante o Ehv, só que desta vez o que foi passado adiante nao foi somente uma sequência egoista e repetitiva de DNA, mas sim um conjunto de genes (7 no total) envolvidos na sintese de esfingolipidios ( lipidios sao as gorduras e as graxas), e as analises do dna da alga e do virus indicam que em ambos organismos os mesmos genes são funcionais.

A alga E. huxley faz parte do filo Haptophyta e tem como caracteristica marcante a produção de um gás (o sulfeto de dimetila) que ajuda na formação de nuvens sobre os oceanos do planeta. Estas algas formam pequenos discos de calcita ( uma forma de carbonato de cálcio) que recobre sua superfície como se estivessem enfeitadas com botões, e devido a sua natureza a luz do Sol é refratada, sendo possível admirar floração de milhares desses individuos até mesmo do espaço! como na imagem abaixo:

Já o virus que infecta a alga, o Emiliania huxleyi virus 86 (EhV-86) é do gênero dos Coccolithovirus e em investigações iniciais
do seu genoma, descobiriu-se genes responsaveis pela produção de ceramida, que é um esfingolipiodo, o mesmo tipo de produto "fabricado" por aqueles 7 genes trasnferidos para alga, e resposanvel pela apoptose (morte "programada" da célula).

Este é um exemplo claro e dramático do "surgimento" de mecanismos funcionais surgidos de uma transferência horizontal de ancestrais da alga e do virus, e tambem nos dá uma idéia da quantidade e da forma que os genomas atuais podem ter sido moldados por estes eventos, transcendendo a visão que temos do fenomeno Vida muito além de uma árvore comunal, mas sim ao encontro de uma teia delicada, unificadora e extremamente bonita.

E sigam-me os bons no Twitter.


Novo blog de ciências

Mais um excelente blog de difusão científica na área: o Tage des Glücks, da pesquisadora em Microbiologia, Natália Döor

Imagem inspirada no post que nos conta sobre as "Canções de amor dos morcegos Jazzistas: daqui

Dê uma passada e comentada por lá...
E sigam-me os bons no Twitter.

Por uma maneira menos antropomórfica de pensar

Não dá para fugir mesmo, pensamos como humanos, ora, por que nós somos humanos. E possuimos a mania de olhar para as outras entidades naturais e vivas, como um cão brincando com um galho, um gato correndo atrás de alguns pássaros, e uma planta abrindo seus estômatos no frio das noites desérticas e perguntar: Será que eles sentem a "falta", paixão, ciúmes, amor e raiva? Talvez. de uma outra forma que não produza sentido em nós. Mas porque? Ora, eles nao são humanos, podem fazer e sentir todas essas coisas, mas as percebem e as sentem de maneira diferente de nós.

Escrevo isso devido a uma pergunta de uma professora na cadeira de psicologia do ensino. Ela uma Psicóloga, questiona durante a apresentação de um trabalho sobre a natureza do pensamento:

- E uma Lula (o molusco) ela pensa?
- Sim, ela pensa.
- E como é? Como ela pensa?
- Como uma lula.

Imagem: Uma lula vampira (Vampyroteuthis infernalis) encontrada aqui

As ninfetas de biquini e o teorema fundamental do cálculo

Você imagina que os cursos de engenharia são como os navios pirata (canhões e barbudos)? pois, ao menos no MIT (Massachutes Institute of Technology) uma Engenheira Nuclear é uma ninfeta muito bela e inteligente, e ainda por cima participou do famoso e revolucionário metódo de ensino "Bikini Calculus" onde a "piriguete" e um grupo de ninf. digo moças ensinam cálculo utilizando um metódo muito melhor que muito professorzinho aposentado por aí, e a felicidade das felicidades, elas ensinam a introdução(ops) a esta área assustadora (para muitos) do conhecimento humano somente cobrindo seus corpos sardentos (ou não) com um pequeno bikini ou em meio a espumas de uma banheira! Não vale a pena pedir dinheiro emprestado, roubar e matar por esse DVD?

Assista uns trechos das "aulas" de cálculo aqui.

Este post faz parte da blogagem coletiva, "Cientista também caça paraquedista" patrocinado pelo Science Blogs Brasil.
Vi a muito tempo atrás numa galáxia distante aqui Gluon blog.

Por ora, delicie-se com as belas fotos de Paige.




"Piriguete"


"Eppur si muove"

"Contudo ela se move" é a celébre frase dita pelo matématico, físico e filosófo Galileo Galilei ao sair do julgamento da inquisição em 1633, de acordo com a sua lenda.


Em 1609, teve conhecimento de um telescópio que foi oferecido por alto preço ao doge de Veneza. Ao saber que o instrumento era composto de duas lentes em um tubo, Galileu logo construiu um capaz de aumentar três vezes o tamanho aparente de um objeto, depois outro de dez vezes e, por fim, um capaz de aumentar 30 vezes.
Galileu não inventou o telescópio, cujo pedido de patente foi feito em 1608, por Hans Lipperhey (ou Lippershey), fabricante de óculos de Middleburg, nos Países Baixos, embora o termo "telescópio" tenha sido inventado na Itália em 1611.Porém Galileu foi o primeiro a fazer uso científico do telescópio, ao fazer observações astronómicas com ele. Descobriu assim que a Via Láctea é composta de miríades de estrelas (e não era uma "emanação" como se pensava até essa época), descobriu ainda os satélites de Júpiter, as montanhas e crateras da Lua. Todas essas descobertas foram comunicadas ao mundo no livro Sidereus Nuncius ("Mensageiro das estrelas") em 1610. A observação dos satélites de Júpiter, levaram-no a defender o sistema heliocêntrico de Copérnico.
E hoje comemora-se os 400 anos que Galileo apontou um teléscopio para o espaço e percebeu a beleza, simplicidade e elegancia do Cosmos. Além de ser o ano de Darwin, também é o Ano Internacional da Astronomia, a rainha das ciências. Vamos comemorar?

Fonte: Wiki
Imagem: Astroboletim


Bioiluminação pública

Alguns animais e certas espécies de fungos possuem a h
*"É mais fácil acender uma vela do que praguejar contra a escuridão". O medo do escuro (e das coisas que existem nele como monstros e fantasmas) provavelmente é um resquício ancestral de quando somente a luz do Sol iluminava os nossos dias, e onde os indivíduos, principalmente filhotes, (ou crianças, como queiram..) tinham chances maiores de sobreviver, se não se aventurassem na escuridão.
Observe o nosso receio de lugares escuros, ao nos depararmos com duas ruas, uma iluminada e outra na ausência de luz, qual iremos escolher? Sim, a iluminação de uma rua pode nos fazer mudar a trajetória.
abilidade de emitir luz visivel, atraves de reações químicas no escuro da noite. É o fenómeno da bioluminescência, onde ocorrem reações silenciosas e persistentes entre as enzimas luciferina, luciferase, o oxigénio e muitas vezes ATP (sigla de Trifosfato de adenosina, uma molécula armazenadora de energia), onde o subproduto final é basicamente CO2 (dióxido de carbono). Geralmente a luz "fria" (chamada assim devido a baixa liberação de energia térmica) é das cores verde e azul, mas pode ser amarela, como no genêro Tomopteris, um tipo de verme poliqueto, e vermelha, encontrada nos peixes da família Stomiidae.
Agora pense: os gastos com a iluminação publica e os postes de iluminação "estéreis" (quando existem) poderiam dar lugar a um tipo novo de design, originado da fusão entre uma árvore e da habilidade de alguns organismos de emitir luz, como seria se utilizassemos essa possibilidade para iluminar as vias públicas, ou até as nossas casas? alguém já idealizou esse projeto, o Designer Audrey Richard-Laurent .
"Nas zonas urbanas, normalmente vê-se uma fileira de árvores paralelo aos postes de luz. Porque não hibridizá-los?"

Loucura? talvez não meus caros leitores, pois em 2007 Edward A. Quinto, da International Society for Bioluminescence and Chemiluminescence, conseguiu produzir a primeira "Arvore de Natal bioluminscente" (nesse caso, foi utilizado extratos dos compostos da água viva sobre a árvore, e não uma alteração genética).
Uma idéia elegante e ousada, mas que precisaria ser viável para, quem sabe um dia passearmos a noite debaixo do brilho frio das reações bioquímicas e luminosas de um ser vivo.

Via: Next Nature
imagem: aqui
*Citação retirada do livro "O mundo assombrado pelos demônios, do Astrônomo e divulgador da ciência Carl Sagan.


Malária, o presente dos chimpanzés

Malária, "aquela" doença que afeta mais de 500 milhões de pessoas ao ano (principalmente nas regiões mais pobres), causada pelo protozoário Plasmodium falciparum, e transmitida pelos mosquitos Anopheles parece ter "saltado" dos chimpanzés (genêro Pan.) para os humanos, em algum ponto da história, durante os últimos 2 milhões de anos atrás. Isso é o que indica a pesquisa desevolvida pela equipe de Nathan D. Wolfe, em artigo recente "The origin of malignant malaria" da revista PNAS.
Após recolher amostras de aproximadamente 100 chimps Africanos, os pesquisadores identificaram oito estirpes do parasita causador da malária em chimpanzés, o Plasmodium reichenovi. Comparando os genes das variedades do parasita dos chimps com os que infectam os humanos, descobriu-se que, igual ao vírus do HIV, a malária é um "presente de grego" dos chimpanzés.

A hipótese sugerida até então, era que os dois parasitas evoluiram separadamente de um ancestral comum, nos últimos 5-7 milhões de anos, cada um em seus hospedeiros específicos, o homem e o chimp. Mas a análise molecular dos novos isolados de P. reichenowi, mostram que ele an verdade deu origem ao P. falciparum, provavelmente de um única transferência para um hospedeiro, que pode ter ocorrido num intervalo de 2-3 milhões de anos , até 10.ooo anos atrás.

O que isso pode nos ensinar? além da descoberta em si, aprender sobre a história da guerra evolutiva entre parasita hospedeiro, e de seus mecanismos inerentes, pode num futuro viabilizar a fabricação de vacinas, ou drogas eficientes, ou pelo menos o conhecimento dos tipos parasitoides que existem na natureza e que cedo ou tarde, poderão (ou não) entrar em contato com a população humana.
O artigo original (e aberto) pode ser baixado aqui.
O título do post, obviamente não quis ofender nenhum macaco ou simpatizante, os chimpanzés não presenteram a nossa espécie propositalmente...
Imagem: Taylor se despedindo de Zira (Planeta dos Macacos)

Errata!

Em referência ao comentário da leitora (e blogueira) Clarissa, no post sobre o Abajur com elefantíase, sobre a condição de Joseph Merrick o Homem-Elefante, realmente ele não a possuia, e sim provavelmente a síndrome de Proteus, que recebeu este nome em alusão ao deus grego polimorfo. Em junho de 2001, Paul Spiring propôs na revista Biologist um novo diagnóstico para Joseph Merrick, que teria sofrido de uma combinação de neurofibromatose tipo I e síndrome de Proteus. Entretanto, testes de DNA conduzidos pelo Dr. Charis Eng em amostras de cabelo e ossos de Joseph não mostraram mutações no gene PTEN (presente apenas em alguns portadores da síndrome de Proteus). Portanto, não há ainda prova definitiva de que Joseph Merrick sofria da síndrome de Proteus.

Fontes: Aqui.


II Encontro de Weblogs Científicos em Língua Portuguesa - EWCLiPo

Em setembro no Rio de Janeiro,  irá ocorrer o II Encontro de blogueiros Científicos que escrevem em português e provavelmente este que vos escreve irá "cobrir" o evento no melhor estilo Hunter Thompson (tirando as bebidas e etc...).

"A WEB 2.0 mudou a forma de fazer jornalismo, negócios e política, e está ganhando agora a academia. A redução das redações de ciência nos grande jornais e o aumento dos escritórios de relações públicas em instituições científicas é o cenário onde emergem os próprios cientistas se comunicando diretamente com o grande público através de blogs e se firmando como uma importante fonte de informação científica confiável para a população, com conseqüências diretas no ensino e na aprendizagem de ciências e não só. O encontro promete, em sua reedição, discutir essas temáticas e oferecer aos participantes opções de caminhos para a blogsfera científica em língua portuguesa."

Então, espero comparecer e conhecer pessoalmente alguns parceiros blogueiros e essa praia bonita. E claro, vou ficar acampado...

Faça sua inscrição aqui.

Local:
Hotel A Ressurgência
Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM)
Rua Luiz Correia, 350, Praia dos Anjos.
Arraial do Cabo, RJ. 28.930-00


O Abajur com elefantíase

Insanas fusões entre arte e ciência. Prevejo um futuro do retorno a natureza, e a designs e estilos de vida miméticos, mas sem abandonar a tecnologia moderna. Uma época e/ou lugar que o hitech poderá ser tão funcional, e fazer parte do nosso meio, como uma violeta na janela. Bem, e não estamos perto disso?

O projeto do designer Daan van den Berg, consistiu em fazer uma stereolitografia (um tipo de impressão em tres dimensões, atráves de um projeto em autocad) de um abajur da loja sueca IKEA, que comercializa móveis e objetos com designs modernos, e infectou o projeto com uma versão digital da elefantíase, dando origem a um "abajur-elefante" emulando a doença causada por vermes parasíticos nematóides das espécies de Wuchereria bancrofti, Brugia malayi e Brugia timor. Ela é transmitida por mosquitos dos gêneros Culex, Anopheles, Mansonia e Aedes. Uma doença complexa, onde diversos papéis sao desempenhados por criaturas diferentes; do verme, da bactéria simbiótica e sexista wolbachia, do sistema imune do hospedeiro e de infecções oportunistas que podem surgir.
Em longo prazo, a presença de vários pares de adultos do parasita nos vasos linfáticos, ocorre a obstrução dos vasos ocasionando na formando nódulos palpáveis. Esta condição, dez a quinze anos depois, manifesta-se como aumento de volume grotesco das regiões afetadas.

No cinema, essa doença tornou-se conhecida pelo filme "Homem elefante" de David Lynch, baseado na historia do side-show "circense" John Merrick, que sofria dessa enfermidade.

Gostaria muito de ter um abajur bizarro assim na minha pequena sala...

Via: Invisible Red


Um gigantesco salto para a humanidade

Aos 40 anos da chegada do homem em ambiente extraterreno.

"If you believed they put a man on the moon, man on the moon."

R.E.M

Suck you dry!

Este pequeno e estranho inseto da família Reduviidae livra os jardins da sua avó de diversas "pragas" como moscas, mosquitos e principalmente lagartas que poderiam acabar com as folhagens e flores que foram tão mimadas durante as estações. Mas também são popularmente conhecidos como "Assassin bugs" (insetos assassinos), por causa de sua dieta peculiar que consiste em sangue de pássaros, répteis e mamíferos como o morcego.

O mecanismo de captura da presa é a clássica e popular espreitada, e quando bem sucedida, ela injeta sua probóscide no corpo da presa, e libera toxinas que anestesiam e a liquefazem, o que torna facil para os insetos assassinos" sugarem o sangue das vitimas. Por outro lado, membros dessa família incluem o famoso "barbeiro" que ao picar uma pessoa transmite o protozoário Trypanosoma cruzy, o agente da Doença de Chagas.

Neste video da National Geographic, aparece uma parte da historia de vida de insetos dessa familia que nascem em cavernas, e onde seu prato principal constitui-se de morcegos vampiros, que tambem se alimentam de sangue, o que torna essa historia insana e "sangrenta" muito mais interessante...


Mais informações aqui: http://assassinbug.com/

Escrevi o texto ao som de "Suck you dry" da banda Mudhoney que também ilustra esse post.

imagem: Academic dictionaries and encyclopedias

O Peixe interior

Da série "livros que eu gostaria de ter, mas como não tenho cartão de crédito, me contento com a versão on-line com sorte de achar free", Your Inner Fish, do palentólogo estadunidense Neil Shubin que nos conta a história do nosso plano corporal e das diversas adaptações ao longo do tempo, através da linhagem que deu origem aos tetrapodes, como o Ichthyostega surgida nas transição entre o ambiente aquático para o terrestre. Devido a uma descoberta em 2004, considerada com o clichezaço,"o elo perdido" essa transição foi demonstrada através de fósseis da espécie Tiktaalik roseae, que possuía características tanto dos peixes, como as nadadeiras pélvicas e raiadas, e de vertebrados terrestres como a ausência de opérculo (que protege as brânquias dos peixes), fora o tamanho e a forma da cabeça e dos membros que provavelmente possibilitavam o movimento para fora da água para respirar.
Então, descubra essa incrivel história do nosso corpo e aprenda a amar ele como ele realmente é: um peixe mais trabalhado.
Quem quiser me mandar de presente fico muito grato, com direito a foto e agradecimento público via este blogue-não científico.
Um outro livro que conta essa mesma caminhada evolucionária é o À beira d'água do Jornalista, "popularizador" da ciencia, e editor do excelente blog "The Loom" Carl Zimmer, este eu tive a sorte de ler.
sigam-me os bons no Twitter.

Uma pausa um tanto alongada para um café... na verdade a pausa se deve ao final do semestre no meu curso de Biologia, a um inicio de um esforço teórico sobre o elemento transponível mariner, e acertos sobre um trabalho cientifico-social numa escola (mais informações futuramente) tive de tirar umas férias do blog.
Mas cá estou de volta, com o visual novo (eu não, o blog) e prometo publicar novos textos mais frequentemente.
Uma pequena história: Comecei esse blog para falar sobre ciência de um modo não-científico, pois ate então estava fora da faculdade e mesmo assim estava trabalhando numa idéia sobre os tautomerismos que ocorrem nas bases nitrogenadas (aquelas C,T, G e A) do DNA, onde um próton se deslocada do sitio de ligação através de um fenómeno quântico, "o efeito túnel", e pretendia desenvolver algo em cima disso, estava numa onda bem "quântica" por assim dizer (tanto que o nome deste aqui é O amigo de Wigner), e cada vez me afastava da minha paixão infantil, o estudo da evolução e da vida. O blog reacendeu essa paixão, pois ao trabalhar em cima das postagens e buscando fontes, o foco foi sendo direcionado cada vez mais para a biologia, felizmente.
Então, o semestre vai ser cheio e mesmo assim pretendo deixar "o amigo" em dia com as ultimas novidades (ou não) sobre ciência, e principalmente as ciências da vida, a bela Biologia...

Ficou interessado sobre o que é o amigo de wigner? leia aqui no excelente blog do Renan, o N-dimensional, incluindo a parte matemática da coisa...

Agora fiquem com o próximo post. Mas antes, sigam-me os bons no Twitter.

Rosas...

Já fechou um mês e nada de postagens novas. Fim de semestre e trabalhos novos surgindo. Queria agradecer a todos os 3 leitores que passaram por aqui e a todos os gaiatos que foram direcionados pelo Google atraves dos posts de Sexo e Evolução.
Então, para ilustrar o post, a imagem que representa uma geração, uma Era, um Sonho, uma Utopia, uma... bem:

Sei como o "Rose Boy" deve ter se sentido. A Musa Nerd nem pode ver sua bela camiseta salmão... Você consegue Rose Boy, você consegue...

Próximas postagens sobre ciência, prometo...

Space invaders: os genes "saltadores"

Não falo dos Space-invaders, o jogo clássico do Atari, o avô dos videogames, mas sim dos SPIN's, uma "família" composta por sequências genéticas conservadas, egoístas e móveis, conhecidas técnicamente como transposons*, e recentemente identificadas recebendo o apelido do velho jogo. Até ai tudo bem, os transposons foram descobertos nas décadas de 40-50 pela botânica Barbara MacClintock, e tem como característica se movimentar pelos cromossomos, são conhecidos por causarem mutações, devido a sua inserção ao longo do DNA, e o mais incrível é que podem se movimentar entre diferentes espécies de seres vivos. De acordo com a síntese moderna da evolução, os traços dos organismos são herdados através dos seus pais, verticalmente (cima para baixo,) sofrendo mudanças ao longo do tempo, uma das idéias principais de Darwin, a qual ele chamou de descendência com modificação.

O problema que esses pedaços de DNA, os transposons SPIN, surgiram aparentemente do nada, se infiltraram no organismo em algum ponto da sua história de vida, e não foram herdados de um ultimo ancestral comum, sugerindo a hipótese de transferência horizontal gênica, que seria uma transmissão de genes entre espécies espécies diferentes, e nesse caso de classes diferentes de animais! pois os SPIN's foram encontrados num roedor (Murinae), no galago (um prosímio), tenrec (mamífero), no morcego marrom, no gambá (em inglês opossum, um marsupial), e estranhamente em uma espécie de lagarto, e uma de anfíbio, o sapo com garras africano. Como as sequências genética desses elementos, são ≈ 98% idênticas nestas espécies, surge a necessidade de se explicar e entender como elas foram parar nos genomas de espécies tão distantes evolutivamente. Diante desse cenário, surgiram duas explicações hipotéticas: ou os SPIN's foram herdados verticalmente (de pai para filho) do último ancestral comum entre o grupo tetrápode, a aproximadamente 360 milhões de anos e foram altamente preservados nessas linhagens até hoje, ou foram introduzidas horizontalmente, e se espalharam nas linhagens que vieram após. Como a análise da "árvore genealógica" das espécies (veja aqui) que possuem os SPIN's não segue um padrão, sendo encontrados dispersamente entre elas, e assumindo que para ser um caractere derivado do ancestral comum a todos os tetrápodes, os genes teriam sido perdidos por todo o grupo, e preservado somente nessas espécies, a hipótese mais provável é a de transferência horizontal de genes, e mais ainda, de forma transoceanica, pois de acordo com os dados, a "contaminação" pelos SPIN's ocorreu por volta de ≈ 40 milhões de anos atrás, em continentes diferentes.
Essa história levanta mais questões do que parece responder. Como ocorreu a transposição desses elementos? pode ter sido um vírus ou bactéria, numa relação parasita hospedeiro, ou de outra forma ainda desconhecida. Quais foram os eventos "fortuitos" que culminaram na aparição, praticamente na mesma "época" nas linhagens ancestrais dessas espécies. Será que houve algum tipo de epidemia, ou pandemia?(dúvidas do autor do blog).
Esses casos e descobertas que ocorrem nas entranhas da evolução das espécies, mostram que a fiação do tecido da vida, é mais complexo, inconcebível e emaranhado que qualquer imaginação ou idéia que temos sobre a origem e desdobramento dessa coisa tomada de estranheza, que é a vida na terceira rocha depois do Sol.

*Os elementos transponíveis podem ser de dois tipos: tranposons, que funcionam através do "recorta e cola" (cut and paste) através da enzima transposase, via DNA, e os retrotransposons, que são do tipo "copia e cola" (copy and paste), através do RNA.

Referências:
O artigo já foi discutido aqui: RNAse Free e no Discutindo Ecologia.

... Do que são feitos os pesadelos.

Quando era mais novo gostava de brinquedos estranhos, gosmentos e alienígenas, isso na metade dos 80 inicio dos 90 (mentira, ainda gosto...), e as vezes algumas crianças preferiam um cãozinho ou um gatinho mas, estamos no novo século, e tudo mudou, até mesmo os companheiros da garotada...
Eles se chamam Epidermits, e foram criados pela Karten Design como os próximos animaizinhos de estimação, possuem o tecido como pele humana sintética, onde você pode tatuar ou fazer um piercing, não tem cabeça, mas no lugar cabelos de verdade, células de combustivel mantém ele em funcionamento, eles "não sentem dor ou pensam, mas seguem um conjunto complexo de algoritmos", podem ser posto em hibernação forçada no congelador. É a fusão da engenharia sintética, eletrônica e do bizarro... Aposto que esse brinquedo deve causar mais pesadelos do que o Chuck e a boneca comedora de cabelo da Xuxa juntos... Só tenho um aviso, não os alimente depois da meia noite.

Via: Gizmodo

Aranhas sadomasoquistas: Sexo, violência e evolução II

Foi reportado o primeiro caso de Inseminação Traumática no subfilo Chelicerata (que inclui, escorpiões, límulos, aranhas do mar) em uma espécie de aranha, a Harpactea sadistica (sadomasoquista?) que ocorre em Israel.
Nas outras aranhas, os ovos são fertilizados simultaneamente com a oviposição (postura de ovos)mas nesse caso, os ovos dessa espécie são fertilizados diretamente no ovário, onde ocorre o desenvolvimento dos embriões antes da postura dos ovos. Nessa espécie, o macho possui o orgão genital em forma de agulha, e as fêmeas possuem a espermateca (cavidade onde o esperma é recebido e armazenado) atrofiada, e durante a dança o ritual do acasalamento, o macho "morde" a fêmea, a "abraça" para manter uma posição favorável, e perfura a fêmea em ambos os lados, resultando em cerca de oito buracos, atraves do qual o esperma é depositado.
Esse comportamento provavelmente evoluiu, devido ao fato da importância de o macho que acasalar ser o verdadeiro "pai" dos futuros filhotes, pois é um custo muito elevado na Natureza ser enganado pelas fêmeas (só na natureza?), ou ter o esperma "retirado" por outro macho, num acasalamento posterior.

O melhor é ver o video aqui.

Imagem: roubei daqui.

Escolha seu vírus favorito

Grípe suína, febre amarela, HIV...
Durante a maior parte da história da vida na Terra, muito antes do surgimento dos mamíferos, os vírus seguiram seu básico programa replicador: fabricar mais vírus, e dessa forma se tornaram agentes da seleção natural, e consequentemente evolução das espécies, até mesmo diretamente, com as evidências de transferência horizontal de genes, via vetores virais. Estamos numa época onde a alta ocorrência de doenças e mortalidade devido a infecções virais sairam das páginas dos livros de história e biologia e invadiram os jornais, as conversas com os taxistas, enfim, o nosso dia a dia, pois cada um corre o risco de desenvolver alguma das doenças particulares a sua área geográfica, estilo de vida, e no caso da gripe suína, a provável próxima pandemia a ocorrer, não há vacinas e remédios eficazes para o seu tratamento e prevenção. Como a blogosfera cientifica, e principalmente o pessoal do science blogs Brasil, que esta fazendo uma cobertura excelente, e de maneira séria e didática sobre o caso da gripe suína, e como nem ao menos me formei, e não tenho o conhecimento científico da causa necessário, preferi somente linkar as melhores fontes (na minha opinião) sobre o caso:
Brontossauros em meu Jardim: Panorama geral sobre o caso
Rainha Vermelha: explicações fundamentais sobre o vírus H1N1
Sem ciência: modelos matemáticos de previsão do prof Osame

Boa Leitura e lembre-se: lave bem as mãos, evite lugares fechados e aglomerações, e fique atento as notícias (blogs de ciência).


Ruppy, o cão que brilha no escuro

O pequeno Ruppy, é o primeiro cão transgênico a possuir uma proteína fluorescente vermelha que brilha quando exposto a luz ultravioleta, foi desenvolvido pela equipe de Byeong-Chun Lee da Seoul National University da Coréia do Sul. Eles clonaram as células do fibroblasto canino (que são células que constituem o tecido nervoso, sintetizam a matriz extracelular, o colágeno e da a estrutura as celulas no tecido animal) que foram "programadas" para expressar uma proteína encontrada em anêmonas marinhas. A técnica utilizada foi retirar o núcleo de um oócito (o gameta feminino) normal, e "trocar" pelo núcleo com a RFP (red fluorescent protein) a ser expressa, utilizando como vetor de "entrega" da proteína um retrovírus.
Popularmente, este tipo de pesquisa tem um péssimo recebimento do público ( ver os comentários da página do Terra) e até mesmo de alguns cientistas, que são céticos ao uso dessa técnica devido a grande inviabilidade de óvulos no processo.
Mas é um trabalho importante sim, pois o sistema dos cães é mais próximo ao de um humano, em relação aos camundongos (que são os modelos de teste mais utilizados) e futuramente poderá auxiliar no entendimento de doenças compartilhadas pelas duas espécies, como um marcador molecular possível de ser visualizado e monitorado.

Fonte: New Scientist

A ciência dos super heróis

Lois H. Gresh, e Robert Weinberg escreveram este livro popular sobre a ciência e o universo dos superheróis, sobre quais personagens seriam mais plausíveis ou não, já que a origem dos seus poderes, nos anos 40-50, vinha da energia nuclear (acidentes para ser mais exato) como o gigante esmeralda, Hulk, e a aranha radioativa que picou Peter Parker, ou de alienigenas que foram enviados para a Terra e sua força residia no sol amarelo (Superhomem), sobre astronautas que foram afetados pelos raios cósmicos (Quarteto fantástico) e a lista segue... Mas para mim o héroi mais provável a existir seria o Batman "o homem morcego", pois ele não possui nenhuma super poder e só utiliza dinheiro a inteligência e os seus gadgets, como o batcinto, batmóvel, para combater o crime e o mal que se esconde no coração dos homens...
Mas não é só isso, o livro utiliza das historias em quadrinhos para introduzir os temas científicos, como clonagem, buracos negros, raios gama e cósmicos, o que seria interessante para iniciar o ensino da ciência para os jovens e pequenos nas salas de aula e em casa.
Gostaria de aproveitar o tema e divulgar meu novo projeto em parceria com meu irmão, o "Heróis de plástico", um blog sobre o figuras de ação e universo dos seres superpoderosos.

"Contos assombrosos da superciência"

Como voltei a escrever minicontos fantásticos e de F.C no "Jarro de moscas", nada melhor do que ilustrar esse post com a capa de julho de 2007 da Science (que peguei emprestada do Prof. Osame). O design mimetiza as "pulp-magazines" ou pulp fictions, que surgiram nos anos 20, e consistiam em revistas muito baratas, pois o papel impresso era polpa de celulose. Os maiores expoentes do gênero foram Isaac Asimov, Ray Bradbury, Arthur C. Clarke e H. G. Wells, só para citar alguns, e as historias nessas revistas basicamente giravam em torno de ataques de zumbis, alienígenas, sexo, robôs positrônicos e ciência bizarra. Quer coisa melhor?
Mas então, vamos ao tema principal e mais estranho da capa dessa revista, a "Interpretação dos muitos mundos".
De acordo com Hugh Everet III, a teoria possibilita o pensamento de que todo o universo e mecânico quântico, pois ate então teoricamente(e em experiências) o universo e divido em duas formas: no mundo quântico das partículas, átomos e moléculas, onde ocorrem eventos microscópicos indeterministas, governados por probabilidades, e o mundo clássico, que é determinista, onde os eventos do nosso dia dia de carros subindo as estradas, e garotas semi-nuas lutando na lama (isso não faz parte do meu dia, mas...), onde a mecânica newtoniana é aplicada. Só que o mundo clássico é construído pelo mundo quântico. E a mecânica quântica diz que as partículas que constroem o mundo clássico se encontram numa superposição de todos os estados possíveis, e somente no momento da "visualização" dessas particulas que elas colapsam somente num único estado, que é o observável. Everet III ampliou esse fenômeno de superposição para todo o universo, e o renomeou como "descoesão", como se cada vez que ocorrese um evento, o universo iria se desdobrar em todos os possíveis, e todos os eventos iriam ocorrer nestes muitos mundos. Assim, naquela entrevista de emprego que não passei, num outro universo eu fui empregado , ou aquela moça ou rapaz que te deu um fora está "feliz para sempre" na Disneylândia com você.
Só que essa teoria entra em conflito com a interpretação de Copenhagen, proposta por Niels Bohr e Werner Heinsenberg, que encerram a história mostrando que, de todas as possibilidades, somente uma e observada e ponto final...

Stephen Hawking disse uma vez que gostaria de fazer que a ciência fosse tão incrível quanto a ficção cientifica, e muitas vezes ela é. A realidade é mais fantasiosa que qualquer fantasia...
Em próximos posts gostaria de falar mais sobre outros assombrosos contos da superciência, incluindo o estranho experimento mental "O amigo de Wigner" que dá nome a esse Blog.

Dica: conheçam os livros da Não-editora aqui de Porto Alegre, que em seu catalogo possui a coletanea de contos, Ficção de Polpa 1 e 2, e indico pessoalmente os contos da escritora Luciana Thomé.


Astrobiologia e nós

Assisti a palestra "Evolução molecular e suas implicações na Astrobiologia", no dia 16 no museu de ciências da PUC, ministrada pelo prof dr. Walter Filgueira, Biofísico do Labioquest, da PUC RS. A palestra faz parte do ciclo "Transversalidades, a Revolução de Darwin" que a faculdade esta promovendo. Foi uma palestra interessante, com um numero bom de entusiastas jovens assistindo, onde o tema para quem já tinha um conhecimento prévio não trouxe novidades, mas que apresentou um bom resumo sobre as descobertas de moléculas orgânicas precursoras de aminoácidos no meio interestelar, e em nebulosas planetárias.
O ponto alto da palestra foi quando um "infiltrado", senhor de barba hirsuta e lustrosa , na hora das perguntas, disse: "você falou sobre a parte física da coisa (sic), mas e quanto a espiritualidade?... Aquele miasma se espalhou ate o fundo da sala, os jovens balbuciaram coisas do tipo, hein, hã? e o professor com toda elegância disse que a ciência estuda os fenômenos da natureza, e é baseada em evidencias, e a espiritualidade estaria fora do foco de estudo da ciência, e o senhor de barba disse "mas Darwin não pensava assim..." e o professor Walter Filgueira novamente, diz que uma cientista pode ter suas crenças pessoais, mas que não podem interferir em seu trabalho...
A astrobiologia é uma ciência nova, que envolve conhecimentos da geologia, paleontologia, astronomia, química e biologia. É a busca pela origem e as evidências do fenômeno vida no universo. Claro que ainda esta em seu desenvolvimento, pois até agora a única forma de vida, e o único lugar que ela existe é aqui na Terra, até onde sabemos.
Acredito que a maior questão da humanidade é se estamos sozinhos ou não no Universo, se compartilhamos desejos, tristezas, bioquímica e curiosidade. E acredito que a maior descoberta seria encontrar (ou ser encontrado) por entidades biológicas extraterrestres, o frustrante é que talvez eu não viva o suficiente para ver isso...

Dica: "O incrível congresso de Astrobiologia"
Um conto incrível e verossímil da escritora e cientista Cristina Lasaitis, vale a pena ler e pensar.

Obs: como estava sem minha câmera, não consegui fotos do evento. então fica uma foto bonita para ilustrar, da atriz Jennifer Connelly que no filme "O dia em que a Terra parou" interpreta uma Astrobióloga que trabalha com extremófilos terrestres, é o interessante nessa atriz que ela já fez diversos filmes ligados a ciência e ao fantástico, como a Dra. Betty Ross no "Hulk", a esposa do matemático John Nash, do "Mente brilhante", "Darkwater" , "Rocketter" e o clássico da sessão da tarde " Labirinto", além de ser uma bela moça, não acham?

Imagem do Lego por Mike Stimpson .


No bar das moscas

O comportamento humano se altera depois do primeiro, segundo e décimo copo de bebida. Você vira o centro das atenções numa festa, se sente o mais rico, bonito, sexy e perde a noção do imbecil. Ao acordar numa cama estranha, olha os saltos, roupas e garrafas espalhadas pelo chão de uma estranha (ou estranho) e voce nem lembra como chegou até la... Enfim, conhecemos os efeitos do álcool no organismo humano, e não é sobre isso que irei discorrer por aqui, mas sim sobre o que foi observado em experimentos com a "popstar" da genética, a mosca da fruta Drosophila.

Em experimento liderado por Kyung-An Han, professor associado de biologia e Neuroscientista da Penn State Univesity, onde as moscas foram submetidas a altas doses de vapores de etanol- o ingrendiente tóxico nas bebidas alcoólicas, para mimetizar os efeitos do abuso da bebida, tanto fisiológicos como comportamentais. Para isso, eles construiram um aparato feito de plástico para acomodar e reunir as moscas, que foi batizado de "Flypub", onde foram filmadas interagindo umas com as outras. E o que descobriram foi que os machos, quando recebiam uma dose diária de etanol, começavam a cortejar outros machos, e apresentavam traços de plasticidade comportamental. Já as fêmeas, que normalmente são passivas durante a corte, mesmo expostas ao etanol, nao cortejavam outras fêmeas, o que sugere que os efeitos homossexuais se limitam aos machos. Mas o efeito do etanol não direcionou a escolha sexual de parceiro, e sim aumentou a frequência de machos cortejando machos, e ao mesmo tempo cortejando fêmeas (quando postos em conjunto no "Flypub"), um tipo de "swing de dípteras".
Então, muito cuidado ao beber demais, pois você nem precisa se confundir, mas pode começar a notar com mais interesse o seu amigo de barba ao lado.

No artigo estão descritos os mecanismos bioquímicos dos efeitos, e é um artigo muito legal e fácil de ler, e melhor ainda de graça: aqui

Os efeitos do alcool no organismo humano: aqui

Vale a pena ver também o filme Barfly, escrito pelo Bukowski, que não tem nada a ver com genética, mas é legal.

It's a trap!

Para quem viu o último episódio do The Big Bang Theory, e entendeu a imitação do Almirante Ackbar do planeta Mon Calamari, feita pelo Dr. Sheldon Cooper.


Vamos ver o pôr do Sol marciano?

Eu vou. em 2011...

Parte do projeto Mars Science Laboratory.


O fabuloso figo da índia

"...Ora, uma simples fruta, a singela banana, prova a existência do Criador e do Amor..."
- retirado do site "Pai de Amor".

Um argumento utilizado para comprovar a existência da mão de um designer divino na Natureza é a perfeição de alguns frutos apreciados por todos nós, como "a singela banana", mas então quem será que teve a idéia de criar o "fabuloso figo da índia"? Se foi o mesmo designer, ou ele quis que ficassemos longe de seu doce sabor ou tinha um senso de humor de um menino de 8 anos.
O figo da índia é uma planta da família das cactáceas, famosas por seus espinhos e pelo desenho do pica-pau no velho oeste, e como qualquer angiosperma, possui flores, sementes e frutos, só que o fruto do gênero botânico Opuntia, conhecido por figo da índia, além de ser doce e suculento possui em sua casca um tipo de "penugem" composta por minúsculos espinhos, que são folhas modificadas resultantes da adaptação em ambientes secos, que precisam ser retirados para você não espetar a lingua ao dar uma mordida nele. As técnicas de remoção de espinhos variam, nesse blogue de culinária há um dica preciosa.
E então, descobri esse pessoal de Phoenix, no deserto do Arizona, que produz uma linha de doces com o fruto, do tipo balas e marmeladas, e já tinha visto compotas e geléias aqui na minha região mesmo, só que o design dos produtos do pessoal da "Cactus Candy" me chamaram a atenção, talvez por eles criarem com muito amor as suas embalagens, ou devido à concepção artística maneira do cactus Carnegiea gigantea, eu gostaria muito de receber de presente uma caixinha dessas, e você não?



Lá no Devoniano, quando os fungos eram gigantes

No século 19, o cientista canadense Sir John William Dawson (1820-1899) relatou a descoberta de uma estranha espécie de tronco fossilizado, que ele batizou de Prototaxites e a descreveu como sendo um ancestral do gênero de coníferas Taxus, enquanto a comunidade científica dizia que eram algas grandes. No fim de sua vida, J.W Dawson terminou concordando com essa definição.
Em 2001, o paleontólogo Francis Hueber retomando a hipótese de que a espécie na verdade era um fungo que chegava a alcançar aproximadamente 6 metros de altura e que tinha vivido entre 420 a 350 milhoes de anos atrás, entre os períodos geológicos Devoniano e Siluriano, apresentou evidências fortes para o Prototaxites ser incluido no Reino dos fungos, devido as suas estruturas internas e morfologia, mas somente em 2007 surgiram mais evidencias que suportam a idéia de Hueber. Num estudo independente cientistas realizaram medições de isotópos de carbono (são átomos com mesmo n° de protôns, mas diferente n° de neutrôns) do fóssil e de outras plantas fossilizadas que foram encontradas na mesma região, e se a espécie fosse uma planta ou alga, entao deveria conter uma certa quantidade padrão de isotópos, ja que as plantas através da fotossíntese produzem a sua propria matéria orgânica (que contem carbono) já os fungos precisam obter o carbono de outros meios, e os resultados do experimento mostraram que as taxas de isotopia no Prototaxites variava bastante, sugerindo que ele realmente retirava o carbono de outros lugares, assim como os fungos o fazem.

Imagine só, 50 milhões de anos antes de surgirem árvores ou vertebrados, um fungo colossal se extendia para os céus numa paisagem dominada por vermes e insetos. Um lugar extraterrestre para nossos olhos recentes de mamífero.

Fonte: Science daily

Infelizmente só para assinantes: aqui, e o resumo do artigo de Francis Hueber: aqui